Lula resiste em indicar mulher para vaga no STF, gerando críticas de movimentos feministas

Politica

A indicação de um novo ministro para o Supremo Tribunal Federal (STF) sempre é um momento importante no cenário político e jurídico do Brasil. E, com a aposentadoria do ministro Ricardo Lewandowski em maio de 2023, as especulações sobre quem será o próximo a ocupar a vaga já começaram.

No entanto, uma questão tem chamado a atenção de movimentos sociais e feministas: a possibilidade de indicar uma mulher para o cargo. Apesar dos apelos, o ex-presidente Lula tem resistido a considerar o gênero como fator determinante para a escolha.

De acordo com assessores do presidente, Lula tem afirmado que o gênero do candidato não será determinante na escolha. Aliados do petista avaliam que há mais chances de o advogado Cristiano Zanin ser escolhido para a vaga, caso seja indicado para a primeira vaga a que o governo terá direito. Zanin é apontado como o candidato favorito nos bastidores de Brasília, e tem um histórico de atuação em processos nos quais Lula foi réu no contexto da Operação Lava Jato.

A resistência de Lula em indicar uma mulher para a vaga tem sido alvo de críticas de movimentos sociais e feministas. Em uma carta aberta, o movimento Mulheres Unidas Contra Bolsonaro afirmou que a indicação de uma mulher para o STF seria um passo importante para a equidade de gênero no país, e que seria uma forma de reconhecimento da luta das mulheres por igualdade de direitos.

Além disso, a falta de representatividade feminina na Corte tem sido uma questão recorrente. Atualmente, apenas duas mulheres ocupam as onze cadeiras do STF: a ministra Cármen Lúcia e a ministra Rosa Weber. A última vez que uma mulher foi indicada para a Corte foi em 2011, quando Dilma Rousseff escolheu Rosa Weber.

Diante desse contexto, a escolha do próximo ministro do STF ganha ainda mais importância. Ainda não se sabe quem será o escolhido para a vaga de Lewandowski, mas a pressão dos movimentos sociais e feministas para que uma mulher seja indicada para o cargo deve continuar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *